Recuperação traz confiança para investimento das marcas

É hora de acompanharmos os movimentos de mercado e dos consumidores para encontrar oportunidades

O avanço do coronavírus pelo mundo fez com que muitos mercados recuassem, gerando grande instabilidade e a necessidade de repensar todas as estratégias até então adotadas. Recentemente, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, afirmou que os países estão pagando um preço alto pela divergência nas estratégias de combate à pandemia. E os impactos não ficam restritos à saúde, de acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o mundo pode levar anos para se recuperar totalmente do impacto da Covid-19.

O impacto no marketing das empresas não foi diferente, incertezas e cortes fortes já aconteceram logo de cara. Mas, ao que tudo indica, este vem sendo um dos ambientes de rápida retomada porque, quando analisamos presença digital, algumas marcas, ainda que de maneira tímida, já começam a dar os primeiros passos na retomada dos investimentos. E, em um momento de quarentena, onde as pessoas estão mais tempo na internet, as redes sociais foram as escolhidas para essa exposição em mídia. Ainda é cedo para afirmar que isso se configura como uma tendência, uma vez que os profissionais de marketing digital tiveram que abandonar os planejamentos a longo prazo para se adaptar à realidade de decisões diárias e com impactos medidos em períodos menores, buscando reagir de maneira rápida ao movimento dos consumidores no ambiente virtual.

Para ter uma ideia, o custo por clique (CPC) registrou um declínio considerável nas regiões analisadas em março — período em que foi declarada a pandemia, variando, por exemplo, de 22,1% no sudeste da Ásia a 42,4% no sul da Europa. No entanto, no leste da Ásia já foi possível observar um movimento diferente, os gastos com anúncios cresceram 12,7% desde o início de março, com aumento do CPC em 30,7% durante o último mês, retornando aos níveis do outono de 2019. Isso sugere que quando outras regiões controlarem o coronavírus, os gastos com anúncios também irão se recuperar.

Quando olhamos para as tendências do bilionário mercado de publicidade nas redes sociais, vemos que embora o alcance geral das páginas de marcas no Facebook tenham diminuído a partir de março, as empresas que promoveram suas postagens, aproveitando o custo baixo dos anúncios, tiveram um aumento de 28,6% no alcance da página entre 13 de março e 13 de abril. Isso nos mostra que agora é hora de acompanharmos os movimentos de mercado e dos consumidores para encontrar oportunidades. Por muito tempo, adotamos o discurso business oriented, mas agora o foco são as pessoas. E, para entrarmos em um ciclo de retomada, precisamos também ser people oriented. O que é relevante para minha audiência? Como posso contribuir com meu público neste momento? Qual é o verdadeiro propósito da minha marca? Responder a estes questionamentos pode ajudar a estabelecer uma estratégia muito mais assertiva e genuína, tal qual o momento não só pede como impõe.

Trazendo o paralelo para a nossa realidade, o Brasil ainda vê crescer os números de casos de Covid-19 e diversas regiões ainda estão adotando medidas de contenção da doença, impactando diretamente na operação de alguns setores. No entanto, no período de março a abril, as marcas no País também puderam aproveitar o baixo custo de anúncios para impulsionar nas redes. E, agora em maio, já é possível observar uma retomada dos investimentos, uma vez que o mercado passou a entender as oportunidades de ter os consumidores cada vez mais conectados.

Além disso, com o avanço do coronavírus no País, notamos uma mudança no comportamento das marcas nas redes sociais. Houve uma diminuição no investimento em conteúdo de timeline, que pode ser observado pela queda de interações vindas de conteúdos promovidos. Por outro lado, o engajamento orgânico está aumentando, indicando um maior acesso e tempo de navegação dos usuários nas redes sociais. A interação em posts orgânicos chegou a bater 200% de crescimento em seus picos durante a quarentena e varejo foi uma das indústrias que mais perceberam esse impacto. O segredo? Conteúdo relevante para aquelas pessoas, naquele momento! 

Podemos dizer que o coronavírus provocou uma transformação digital quase que ‘à força’ em diversos setores que antes postergavam os investimentos em ações nesse sentido. Com a realidade volátil que estamos vivendo, em que tudo muda o tempo todo e o consumidor transita ainda mais rapidamente entre os conteúdos, as marcas estão entendendo o valor de uma boa estratégia em marketing digital para ampliar seus índices de engajamento e conversão, mas principalmente identificação com seu público. Em um momento de incertezas e aprendizados como o que estamos vivendo, sai na frente quem está disposto a ouvir, reagir e contribuir. E a sua marca, o que está fazendo para aproveitar essa oportunidade?

Fonte: Meio& Mensagem
           Alexandra Avelar - Country manager da Socialbakers
           24 de junho de 2020 

 

Informações adicionais